Em que consiste a gestão de armazéns

1 Agosto, 2022 Tudo sobre logística

A gestão de armazéns influencia tanto nos custos da cadeia de abastecimento quanto na satisfação do cliente, portanto, é um fator chave para a rentabilidade e a competitividade da empresa.

As atividades de administração de um armazém fazem parte da logística da cadeia de abastecimento, no entanto, nos últimos tempos o armazém assumiu a importância como um espaço que não apenas serve para proteger mercadorias, como também oferece valor mediante diversas atividades de serviço.

Desde a montagem de pedidos e a embalagem, passando pela maquila e o recondicionamento de produtos, até o cross docking e a logística inversa; os serviços adicionais que podem ser realizados na gestão de armazéns representam uma diversificação das atividades da empresa logística que beneficiam os clientes finais.

Isto também significa uma maior complexidade no manejo das mercadorias, no aproveitamento do espaço e na designação de tarefas entre o pessoal.

Contar com um sistema de gestão de armazéns (WMS por suas siglas em inglês) faz parte da solução para alcançar a otimização de operações que represente redução de custos, maior produtividade e melhor experiência para o cliente.  

O que é a gestão de armazéns? 

Consiste no desenho e execução de uma série de processos para otimizar o armazenamento de mercadorias, garantindo estes benefícios:

  • Agilizar a passagem das mercadorias pelo armazém.
  • Garantir a correta identificação de produtos.
  • Maximizar a utilização do espaço disponível.
  • Minimizar a manipulação das mercadorias.
  • Ter inventários precisos.
  • Garantir entregas pontuais e em forma.
  • Aumentar a produtividade do pessoal.
  • Reduzir os custos operativos.

Os processos de um armazém podem se classificar em cinco atividades principais: 

  1. Recebimento. No momento da chegada da mercadoria é necessário registrar com precisão seus dados de identificação, descarregá-la e verificar que corresponda com a documentação de embarque que a acompanha.
  1. Armazenamento. Assim que identificada a mercadoria, é necessário designar-lhe um espaço determinado dentro do depósito, de acordo com seu volume, seu peso e sua rotatividade.
  1. Controle de inventários. Não apenas é necessário saber que produtos há dentro do armazém como também onde se localizam e a que translados estão sujeitos.
  1. Elaboração de pedidos. Compreende a seleção e coleta de produtos dentro do armazém para formar os pedidos destinados às entregas.

  2. Embarque. É o procedimento mediante o qual se gera a documentação que acompanhará os envios, consiste em uma verificação física para comprovar que os relatórios de embarque coincidem com a mercadoria e se realiza o carregamento na unidade de transporte correspondente.

Como funciona um sistema de gestão de armazéns? 

O propósito de utilizar a tecnologia é automatizar tarefas e assim agilizar a operação e eliminar erros.

Um sistema de gestão de armazéns requer todo tipo de informação para dar seguimento pontual às mercadorias e elaborar os relatórios que validem a produtividade e os resultados de cada uma das atividades que são realizadas no armazém.

Esta informação consiste em:

  • A correspondente à gestão em si, ou seja a relativa ao desempenho e as atividades próprias do armazém.
  • A relacionada com a visibilidade e a rastreabilidade da mercadoria, ou seja, ao seguimento e localização dos produtos em todo momento e sua trajetória desde a origem até seu destino final, mediante sistemas de identificação como códigos de barras e etiquetas com tecnologia de identificação por radiofrequência (ou RFID, por sua sigla em inglês).

Para que a implementação de um sistema de gestão seja um sucesso você deve se enfocar nestes aspectos:

  • Buscar uma fácil integração com seu ERP existente, já que é necessário que se possa compartilhar facilmente informação entre um e outro para ajudar uma melhor tomada de decisões.
  • Garantir que possa registrar os códigos de identificação comuns, como os códigos de barras e as etiquetas RFID, pois isto facilitará o registro de entrada, translado, coleta e saída das mercadorias.
  • Realizar previamente uma avaliação de seus processos para eliminar movimentos e tarefas desnecessárias a fim de que a implementação do novo sistema de gestão parta de processos ágeis.

Como melhorar a produtividade do armazém?

Trata-se de aproveitar ao máximo o espaço disponível, mediante soluções de gestão e tecnológicas.

Estes são alguns princípios que você pode aplicar para incrementar a produtividade do armazém e influenciar positivamente na rentabilidade de sua empresa:

  • Utilizar o espaço disponível em todo seu potencial e de maneira efetiva. Não é fácil dispor de terrenos para a ampliação de um depósito, mas sim se pode aproveitar todo o espaço vertical de maneira eficiente.
  • Colocar atenção nas tarefas de colocação em estantes, reabastecimento e localização, já que isto facilitará a localização e coleta dos produtos e evitará desabastecimentos e excessos de inventário.
  • Desenhar fluxos de trabalho que minimizem o congestionamento dentro do armazém e evitem a improdutiva interferência entre os empregados, isto reduzirá os deslocamentos redundantes mediante uma coordenação precisa das solicitações de coleta.
  • Designar os espaços nas estantes em relação ao nível de rotatividade de maneira que sua colocação e coleta sejam eficientes.
  • Automatizar procedimentos e robotizar o translado e colocação da mercadoria para economizar tempo e eliminar erros.
  • Escutar as propostas do pessoal para melhorar as operações. Eles estão ali o tempo todo, motivo pelo que podem reconhecer melhor os problemas e oferecer soluções.
  • Avaliar constantemente as operações e estar aberto à mudança a fim de implementar um sistema de melhoria contínua.

Como desenhar um armazém mais eficiente?

O desenho da planta do armazém deve obedecer a maximização da capacidade do mesmo, e para isso você pode utilizar alguma das soluções que o mercado oferece. Estas são algumas delas:

  • Racks seletivos de fundo duplo. Neles é possível colocar dois pallets no fundo, reduzindo a frente da estante dedicada a cada tipo de mercadoria. Com este sistema se pode reduzir a quantidade de corredores entre as estantes e assim aproveitar mais a superfície do armazém.
  • Mezaninos. Trata-se de plataformas que se colocam em diferentes alturas e em diferentes posições a fim de aproveitar todo o espaço vertical do depósito. Podem ser utilizados para armazenamento ou como espaços de escritórios.
  • Drive In. Útil quando se armazenam grandes quantidades de um mesmo produto. Consiste em racks contínuos, sem corredores que os separem, nos que a empilhadeira eleva a carga ao nível em que será colocada e percorre até o fundo do rack, depositando o pallet sobre trilhos guia.

Entre estes tipos de sistemas que aproveitam ao máximo o espaço e as tecnologias que permitem um registro e controle de inventários otimizado, o armazém logístico e a distribuição eficiente tornam-se atividades que oferecem valor à cadeia de abastecimento.

Este tipo de soluções são as que a Solistica oferece em seus mais de 442 mil metros quadrados de armazéns em diferentes localizações no México, Brasil e Colômbia, oferecendo um valor agregado perfeitamente alinhado aos padrões e KPI de seus clientes.

Além de diferentes opções de armazenamento, como depósitos dedicados ou multicliente ou instalações a seco ou de múltiplas temperaturas, a Solistica oferece serviços de valor agregado como maquila, etiquetamento, embalagem, montagem de pedidos, validação, logística inversa, recondicionamento de produtos e paletização.

Como você pode ver, a gestão eficiente de um armazém é um aspecto essencial para manter a competividade de sua empresa nos tempos atuais. Sua administração otimizada deve se refletir em dispor de serviços adicionais, reduzir custos e no valor que tudo isto pode somar em sua cadeia de abastecimento para garantir que sua empresa siga alcançando suas metas de rentabilidade. 

New call-to-action

Junte-se à conversa!

Deixe seu comentário

Mais sobre Tudo sobre logística

Principais indicadores e ferramentas para a análise de inventários

A gestão de inventários é um dos principais aspectos para o sucesso das empresas. De fato, as empresas bilionárias consideram esta tarefa como uma prioridade, porque contar com o volume ideal de estoque (suficiente, mas não em excesso) ajuda a otimizar custos, maximiza a produção e as vendas, ao mesmo tempo em que evita perdas devido ao excesso ou déficit de itens cruciais.

A era do 4 PL

Saber que tipo de modelo de terceirização é melhor depende da complexidade da cadeia de suprimento e dos objetivos estratégicos de cada companhia, assim como da natureza da mercadoria e da gestão da indústria.

O papel da consultoria na logística

Contar com serviços de consultoria em logística é uma decisão estratégica na empresa que cumpre a função de fazer com que se diferencie competitivamente falando. Graças a esta consultoria a empresa adquire conhecimentos, experiências e habilidades para tomar melhores decisões e alcançar eficientemente as metas na cadeia de suprimento.

Publicações mais recentes

Os fornecedores, seu impacto nas cadeias de suprimentos e como

Seleção de fornecedores: uma decisão de alto impacto na cadeia de suprimentos.

A indústria farmacêutica e seu impacto na sustentabilidade e na economia

O setor farmacêutico é fundamental para a economia e para aliviar a desigualdade no acesso à saúde.

Principais indicadores e ferramentas para a análise de inventários

A gestão de inventários é um dos principais aspectos para o sucesso das empresas. De fato, as empresas bilionárias consideram esta tarefa como uma prioridade, porque contar com o volume ideal de estoque (suficiente, mas não em excesso) ajuda a otimizar custos, maximiza a produção e as vendas, ao mesmo tempo em que evita perdas devido ao excesso ou déficit de itens cruciais.