Solistica, na vanguarda da logística para a indústria veterinária no Brasil

4 Maio, 2022 logística da indústria

Assim como no setor de saúde, a logística e a gestão das cadeias de suprimentos são fundamentais para a indústria de Saúde e Nutrição Animal. Especialmente em um mercado como o brasileiro, onde o setor veterinário teve um grande crescimento e é referência mundial em questões de pecuária e animais de estimação. 

Por um lado, de acordo com a Abinpet (Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação), o Brasil tem a segunda maior população de cães, gatos e aves canoras e ornamentais do mundo, e é o terceiro maior país em população total de animais de estimação, com 54 milhões de cães, 24 milhões de gatos, 19 milhões de peixes e 40 milhões de aves, entre outros animais. 

Por outro lado, possui também o maior rebanho de gado do mundo e é o maior exportador desse tipo de carne do planeta, além de estar entre os maiores produtores e exportadores mundiais de aves e suínos, por exemplo, e ter uma das maiores populações de cavalos do mundo. 

A agroindústria é composta pelos segmentos de insumos agrícolas, produção agrícola, processamento agroindustrial e serviços. A agroindústria representa 23% do PIB nacional e está dividida entre o setor agrícola (67%) e a pecuária (33%). 

Ou seja, a magnitude do setor veterinário brasileiro é monumental, e a eficiência das operações logísticas é vital, tanto para o bem-estar dos animais quanto das empresas do setor, em todos os elos da cadeia. 

A logística da saúde animal 

As operações de nutrição e saúde animal têm requisitos de qualidade e controles técnicos muito semelhantes aos do mercado de saúde humana, pois os produtos são utilizados para o mesmo objetivo: prevenir e curar doenças. 

E é um cenário com muitos atores. Desde a indústria, até chegar ao seu destino, passando pelo operador logístico, são muitos os procedimentos, áreas e empresas envolvidas.

Requer um processo bem estruturado desde o início -durante o fluxo de recebimento de materiais e pedidos de compra -, até a expedição ao destino, e a última milha até o consumidor final, tecnologia para a automação, sistemas de gestão de armazém e estoque, rastreamento de processos e, claro, infraestrutura de transporte. 

Assim, a operação de produtos acabados no Brasil, tanto no armazenamento quanto no transporte, para animais de produção e animais de companhia, de grande parte das empresas brasileiras, é realizada por meio de um operador logístico terceirizado. 

É o caso da Ourofino, a maior empresa veterinária brasileira, que tem a Solistica como parceira logística. A empresa envia os produtos acabados diretamente da fábrica de Cravinhos (SP) aos seis centros de distribuição avançados administrados pela Solistica, onde são recebidos, armazenados, faturados, separados e despachados para os clientes, enquanto a empresa tem total visibilidade do processo e realiza o rastreamento de ponta a ponta da cadeia, o que garante resultados auditáveis, tanto em questões regulatórias, logística farmacêutica, quanto em questões contábeis. 

A Ceva Animal Health é outro exemplo em que a qualidade é a bússola das operações, por isso todos os procedimentos e boas práticas de armazenamento e transporte são seguidos à risca, garantindo a integridade dos produtos. Neste caso, a Solistica como operadora logística também cumpre todas as normas regulamentares e de qualidade para garantir a perfeita conservação dos produtos durante o período em que se encontram armazenados. 

É porque, como parceira estratégica, a Solistica começa entendendo cada negócio e seus principais desafios, para elaborar o projeto logístico ideal para ele. Ou seja, tornando os sistemas e processos mais flexíveis e personalizados para atender às suas necessidades específicas. Além disso, após mais de 20 anos de experiência em saúde e nutrição animal, conta com uma estrutura dedicada a atender empresas desses segmentos e uma equipe de especialistas em cada um deles, que trabalham para desenvolver uma solução que agregue valor ao negócio. 

A logística veterinária no contexto brasileiro 

No Brasil, as cadeias de suprimentos deste setor evoluíram muito em tecnologias e processos para melhorar a eficiência e reduzir custos, dando ao sistema um alto grau de complexidade, o que acrescenta ao fato de que o território brasileiro é muitas vezes de difícil acesso, com uma infraestrutura territorial em grande parte obsoleta. 

Em outras palavras, a distribuição de produtos veterinários no Brasil é complexa. Para o setor de logística de insumos pecuários, as concentrações em macrorregiões especializadas

diluem o custo de armazenamento e transporte, mas cria gargalos devido à falta de infraestrutura de transporte no país, portanto, o nível de planejamento aqui é vital. 

Além disso, o Brasil é um país com uma legislação tributária e trabalhista complexa, particularmente no âmbito desse setor, que está sujeito a regulamentações de vários ministérios, agências, secretarias e outros órgãos governamentais. 

A indústria de produtos veterinários e sua cadeia logística é regulamentada e supervisionada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), e os requisitos para a garantia da eficiência da cadeia e da qualidade dos produtos começam com a implementação de Boas Práticas de Armazenamento, Distribuição e Transporte, que exigem um alto grau de especialização e adequação técnica. 

Para os operadores logísticos, essas boas práticas incluem ter um sistema de qualidade e monitoramento e controle da eficácia de todos os processos críticos, bem como: 

  • Qualificar funcionários
  • Aprovar Fornecedores
  • Realizar auditorias de sistema e processos
  • Responder reclamações de clientes
  • Garantir que as instalações e equipamentos atendam aos requisitos do órgão regulador
  • Promover a melhoria contínua

Qualidade na gestão de toda a cadeia de suprimentos 

O principal objetivo da cadeia logística de Nutrição e Saúde Animal é garantir o fornecimento de produtos de forma confiável, entregando medicamentos, alimentos, etc., com a máxima qualidade e segurança possível, mantendo todos os seus atributos e eficácia. 

Portanto, as empresas do ramo devem ter controle de qualidade em toda a cadeia para garantir o cumprimento dos protocolos de segurança, cuidado no manuseio, atenção aos procedimentos de limpeza e condições ótimas de transporte, com armazenamento e descarte adequados. 

Cada tipo de produto possui características e necessidades específicas. No armazenamento, a maioria dos itens está em ambientes climatizados, e para o transporte, a cadeia de frio é a mais seguida, alguns são até itens perigosos que requerem transporte especial. 

Há produtos que requerem temperaturas diferenciadas de armazenamento e transporte, principalmente as vacinas, que devem ser armazenadas entre 2°C e 8°C e transportadas em cadeia de frio.

A Solistica tem experiência no armazenamento e distribuição de vacinas em todo o Brasil e, por isso, conta com uma cadeia de frio que começa desde o momento em que a vacina sai da indústria, até finalmente chegar à geladeira para revenda. 

Além disso, como é o caso, por exemplo, dos produtos de outra grande empresa brasileira do ramo, a Mars Petcare, e suas vacinas contra a febre aftosa e raiva, antes de serem enviadas ao destinatário, elas devem passar por um processo de lacre holográfico de segurança para controlar as doses comercializadas e proporcionar segurança contra falsificações. 

A Solistica coloca cerca de 276.000 lacres por dia. Nos últimos três anos, uma média de 390 milhões de vacinas foram lacradas. 

Matérias-primas, oportunamente 

Para as empresas de medicina animal ou de nutrição animal, a gestão de matérias-primas é primordial. A maioria das matérias-primas e ingredientes ativos requerem temperatura e/ou umidade controladas de acordo com as especificações do material ao longo do processo. 

Novamente, são necessários o monitoramento e a garantia de um processo extremamente robusto, capaz de receber insumos em sua integridade e qualidade em toda a cadeia de suprimentos, desde a importação, descarga e transporte até a fábrica da empresa. 

Tecnologia para antecipar a demanda e oferecer rastreabilidade 

De acordo com os padrões do mercado veterinário brasileiro, para garantir a rastreabilidade e a qualidade nos processos operacionais, é necessário um controle eficiente de: estoque, "vida útil",  lotes/saídas, status, endereços/posições e transportadores. 

Também estabelece a necessidade de ter um programa de rastreabilidade que contemple como rastrear o lote ou produto desde a origem das matérias-primas e embalagens utilizadas, até o destino do produto final. 

Da mesma forma, espera-se que os operadores logísticos garantam que nas atividades de armazenamento e transporte sejam mantidas a rastreabilidade, o controle do estoque e a identificação do volume para expedição e embarque aos transportadores, seguindo as diretrizes informadas pelos laboratórios. 

Portanto, para garantir o atendimento de cada demanda, a Solistica trabalha com planejamento de produção longo, médio, curto e on-line. Assim, a capacidade é dimensionada através de previsão, e ajustada de acordo.

A tecnologia permite prever de forma assertiva a demanda futura e obter o produto na hora certa e na quantidade certa, o que possibilita entregar o que os clientes precisam. 

A empresa aplica a lógica estatística com aprendizado de máquina, dimensionando com mais precisão de acordo com a sazonalidade e os picos ao longo do mês. Além disso, a 'Torre de Controle' permite que as operações sejam gerenciadas em tempo real, e que recursos e veículos sejam realocados para o serviço sincronizado com a demanda. 

A Solistica também conta com a tecnologia de uma plataforma digital que permite a rastreabilidade total das entregas em tempo real. A ferramenta permite que os clientes tenham visibilidade de todo o ciclo do pedido e, além de rastrear as entregas, também tem a funcionalidade de gerar relatórios e visualizar indicadores operacionais para a gestão. 

A Solistica trabalha com sistemas de gestão próprios, totalmente personalizáveis ​​e adaptáveis ​​aos sistemas do cliente. Além disso, com foco na rastreabilidade, desenvolveu um aplicativo para motoristas parceiros usarem durante o transporte. As informações geradas pelo app são sincronizadas com um sistema disponível para o cliente acompanhar a entrega do seu pedido em tempo real. 

Sem dúvidas, o nível de exigências deste setor está crescendo e certamente continuará a crescer. Na Solistica, nós nos esforçamos para estar à altura do desafio. 

Nueva llamada a la acción

Junte-se à conversa!

Deixe seu comentário

Mais sobre logística da indústria

Solistica, na vanguarda da logística para a indústria veterinária no Brasil

A logística, motor do crescimento da indústria veterinária no Brasil.

O transporte eficiente de vacinas: nas mãos da nova cadeia de frio

A logística da cadeia de suprimentos médicos sempre teve exigências particulares que a tornam um verdadeiro desafio.

Desafios na distribuição da vacina da Covid-19 em nível mundial

Dois mil e vinte foi um ano único no mundo todo. A propagação da pandemia por Covid-19 afetou o comércio internacional e com isso desestabilizou as economias.

Publicações mais recentes

A embalagem de mercadorias e suas considerações para exportação

Além da proteção e salvaguarda das mercadorias, a embalagem é importante por razões logísticas e legais. Conheça-as aqui!

Gestão bem-sucedida da cadeia de suprimentos e suas fases

Você vende alimentos de alta rotatividade? Você deve conhecer as cadeias de suprimentos para alimentos e sua gestão correta. Continue lendo!

A embalagem, suas possibilidades e seu impacto na distribuição de mercadorias

Conheça os tipos de embalagens, suas características, as alternativas e o que elas podem fazer pelos seus produtos. Continue lendo!