Solistica ao dia

A logística da cadeia de suprimentos médicos sempre teve exigências particulares que a tornam um verdadeiro desafio.

Entérate de los más recientes acontecimientos e innovaciones en nuestra industria. Fique por dentro dos acontecimentos mais recentes e inovações em nossa indústria Find out about the latest developments and innovations in our industry.
    09 jun 2021

    O transporte eficiente de vacinas: nas mãos da nova cadeia de frio

    logística da indústria
    Compartilhar:

    A logística da cadeia de suprimentos médicos sempre teve exigências particulares que a tornam um verdadeiro desafio.

    Ou seja, já era complicada antes, e agora, em todo o mundo e por causa da pandemia atual, as cadeias nacionais de suprimentos estão sob mais tensão para gerenciar eficazmente a introdução e distribuição das novas vacinas contra a COVID-19.

    O aumento de suprimentos implica que os atores da cadeia se adaptem às necessidades e às novas estratégias de distribuição, o que envolve também lançar mão dos novos avanços tecnológicos nos equipamentos da cadeia de frio para aumentar sua eficiência e eficácia.

     Por quê? Porque um aumento ou diminuição da temperatura ou da umidade na cadeia de frio tornaria as vacinas ineficazes.

    De fato, de acordo com o Instituto IQVIA de Ciência de Dados Humanos, a indústria biofarmacêutica perde aproximadamente $ 35 bilhões por ano devido a falhas na logística de temperatura controlada.

     Estima-se que 20% dos produtos sensíveis à temperatura são danificados porque a cadeia de frio é interrompida durante o transporte.

     E de acordo com uma investigação do Fórum Econômico Mundial, mais de 50% das vacinas são desperdiçadas em todo o mundo a cada ano devido ao controle da temperatura, à logística e aos problemas relacionados com o envio.

     E atualmente, é claro que ninguém quer ouvir que um lote de milhares de vacinas não pode ser usado porque um freezer desligou, por exemplo. Não é hora de nenhum desperdício! Portanto, o sistema de armazenamento, transporte e administração da vacina deve ser muito bem planejado, e os responsáveis devem conhecer os desafios detalhadamente. As coisas falham, os compressores quebram e devemos ter peças extras, saber como consertar e em quais limites de tempo trabalhar.

     Em geral, isto poderia ser resolvido enviando excedentes, mas com tanta demanda pelas vacinas anti-COVID, cada dose perdida ou arruinada será sentida profundamente. A proteção da taxa de usabilidade das vacinas dependerá do acompanhamento e entrega na milha final.

     Logicamente, esta pressão para aumentar o rendimento, está pressionando também os limites do que pode ser conseguido. E para a OMS, é atualmente uma prioridade e uma força motriz do Plano de ação mundial de vacinas (GVAP).

     Inclusive, desenvolveram, em colaboração com a PATH, o Project Optimize, enfocado em encontrar formas de otimizar as cadeias de suprimentos de imunização para atender uma carteira de vacinas cada vez maior e custosa, com o objetivo de fornecer ao mundo da imunização sistemas logísticos mais fortes, mais adaptáveis e mais eficientes.

     De fato, de acordo com a própria Organização Mundial da Saúde, os programas de imunização bem-sucedidos "baseiam-se em sistemas logísticos e de cadeias de suprimentos funcionais do início ao fim. A função da cadeia de suprimentos é garantir o armazenamento, o manuseio e a gestão eficazes de estoques de vacinas; controle rigoroso da temperatura na cadeia de frio; e manutenção de sistemas de informação de gestão logística adequados".[1]

     CTC, a nova cadeia de frio

     Daí que, hoje, se esteja evoluindo além da cadeia de frio tradicional, que serve para manter os produtos como as vacinas com temperatura controlada, nas condições estabelecidas em todos os aspectos da cadeia, desde a aquisição até o transporte e a distribuição.

     O enfoque inovador da gestão de vacinas da “cadeia de temperatura controlada" (CTC), permite que as vacinas sejam mantidas em temperaturas fora da cadeia de frio tradicional de + 2 ° C a + 8 ° C durante um período limitado em condições controladas e monitoradas.

     Trata-se de cadeias que geralmente envolvem uma única saída da vacina para temperaturas ambiente que não superem os 40 ° C e por um número específico de dias antes da administração.

     A Organização Mundial da Saúde definiu critérios para que uma vacina seja rotulada e utilizada por uma CTC:

    • Deve ser usada em uma campanha ou estratégia especial (não é recomendada para a imunização de rotina).

     

    • Deve tolerar temperatura ambiente de pelo menos 40 ° C durante três dias no mínimo e deve ser acompanhada por
    •  um monitor de frasco de vacina (VVM) em cada frasco, e
    •  um indicador de limite máximo em cada portador de vacina
    • Deve ser autorizada para uso em uma CTC pelas autoridades reguladoras pertinentes, com um rótulo especificando as condições. 

    Para garantir a disponibilidade ininterrupta de vacinas de qualidade, desde o fabricante até os níveis finais de prestação de serviço, e não perder oportunidades de vacinar, é necessário um sistema de gestão da cadeia de suprimentos para conseguir o produto adequado, nas quantidades e condições necessárias, no prazo e custo justos. Este é o tamanho do novo desafio para os atores desta indústria.

    [1] https://www.who.int/teams/immunization-vaccines-and-biologicals/essential-programme-on-immunization/supply-chain/

    Nueva llamada a la acción

    Subscreva aqui!