A embalagem de mercadorias e suas considerações para exportação

30 Junho, 2022 Comércio exterior, Tendências de armazenamento e valor agregado

A proteção das mercadorias para distribuição é uma das principais funções da embalagem, sendo altamente relevante para o sucesso geral do negócio, principalmente se tais mercadorias forem percorrer longas distâncias, como é o caso das importações e exportações. 

Entendida a embalagem como o terceiro nível de proteção do produto (do qual, o recipiente direto seria o primeiro, e o pacote que protege e agrupa essas embalagens, seria o segundo), é aquela que permite armazenar e proteger os pacotes a serem armazenados e transportados, reunindo-os em unidade de carga maior, que geralmente assumem as formas de estivas, contêineres e caixas modulares. 

Ou seja, enquanto o recipiente e o pacote são orientados para o mercado, a embalagem responde à logística, isto é, às necessidades de transporte e armazenamento dessas mercadorias em particular, compactando-as, tornando-as mais estáveis ​​e fáceis de condicionar, armazenar e manusear para carregamento, expedição e movimentação. 

Assim, a embalagem também é utilizada para indicar se os produtos necessitam de algum cuidado especial, se devem ser mantidos longe da umidade, ou se podem compartilhar um ambiente com outros produtos a serem transportados, ou se são frágeis, ou ainda se precisam ser transportados com urgência. Inclusive, a própria forma da embalagem da mercadoria dará aos responsáveis pela logística um claro sinal sobre a prioridade e a forma como devem tratar tais mercadorias. 

E quando as mercadorias são exportadas, devem ser devidamente embaladas para  protegê-las de choques, movimentos bruscos, acidentes, condições físicas e meteorológicas, e até mesmo de roubo formiga. 

Além disso, no caso de importações e exportações, a embalagem deve responder a verificações legais apropriadas para esses fins e, de fato, ajuda a cumprir as regulamentações existentes, dependendo da mercadoria em questão, tema que aprofundaremos a seguir.

A embalagem, auxiliar no cumprimento de regulamentações para a logística. 

Para propósitos de embalagens, utiliza-se uma variedade de materiais tais como o papelão, o plástico, a madeira, o metal, o papel, etc., ou combinações deles, de acordo com as necessidades e características de cada produto ou mercadoria. E perante as autoridades comerciais, cada tipo de embalagem tem um código de designação, como se pode ver nesta lista. 

Assim como os recipientes e pacotes, a embalagem deve obedecer às normas de rotulagem em vigor em cada país, tanto no país de origem como no país de destino. 

No México, a Norma Oficial Mexicana NOM-050-SCFI-2004, estabelece as informações que devem ser visíveis na rotulagem geral dos produtos (tanto recipientes como embalagens), para seu transporte, algumas das quais são incluídas no conhecimento de embarque e entre as indispensáveis estão: 

  • Nomes de fabricantes e importadores
  • País de origem
  • Denominação Genérica
  • Denominação Específica
  • Indicação de Quantidade
  • Ingredientes
  • Instruções para seu correto uso e conservação
  • Prazo de validade no caso de alimentos e bebidas
  • Descrição dos componentes e características do produto
  • Advertências de riscos quando tiver

E, neste último caso, existe a NOM-054-SCT2/2010 estabelecida para produtos de alto risco, que especifica os procedimentos adequados para embalagens de substâncias, materiais ou resíduos perigosos, e que enfatizam principalmente que os recipientes e embalagens deste tipo de produtos devem ser suficientemente sólidos para resistir às cargas ou aos choques inerentes ao transporte e transbordo entre unidades e depósitos de armazenamento. 

Para identificar e conhecer a norma específica de empacotamento e rotulagem para um tipo de produto específico, pode-se consultar o Catálogo de Normas Oficiais Mexicanas da Secretaria de Economia. 

No nível internacional, há também padrões e normas que as regulam e abrangem principalmente:

  • O conteúdo da embalagem, de acordo com as normas de especificação de informações do conteúdo, conhecidas como R-87 (por exemplo, conteúdo líquido, conteúdo nutricional, data de validade, etc.)
  • Os parâmetros fitossanitários. Trata-se da NIMF N°15, que regula os processos de tratamento da madeira para impedir que uma praga entre no país de destino.
  • O manuseio de mercadorias, coberta pelas normas 700 e 7000, que regulamentam os símbolos e pictogramas correspondentes às instruções de manuseio e/ou advertências sobre o conteúdo da embalagem.
  • As dimensões, tratadas pela Norma ISO 3394, que estabelece os parâmetros para as estivas, paletes, plataformas paletizadas ou caixas utilizadas no transporte.

Também existem regulações sobre a manipulação e marcação de mercadorias perigosas como o Acordo Europeu Relativo ao Transporte Internacional de Mercadorias Perigosas por Estrada, ADR. 

A embalagem, portanto, pode não apenas otimizar o transporte, economizando custos e protegendo as mercadorias, mas também desempenhar um papel muito importante na manutenção da transparência e legalidade das operações internacionais. 

Junte-se à conversa!

Deixe seu comentário

Mais sobre Comércio exterior, Tendências de armazenamento e valor agregado

Tudo sobre Incoterms em logística [Infográfico]

Geralmente, quando acontece uma compra e venda internacional existem diferentes interpretações segundo as regras de cada país.

Transporte aéreo: tudo o que você deve saber para fortalecer sua logística

A logística aérea se converteu em um elemento quase indispensável do comércio exterior tanto pelo alto valor de algumas mercadorias quanto pelo imediatismo de entrega que os clientes finais demandam

Panorama global do comércio marítimo

A indústria marítima foi considerada pilar do comércio internacional desde as antigas civilizações graças a que possibilita a compra-venda de carga e o transporte de pessoas. Com mais de 50 mil navios mercantes de 150 países, atualmente é uma das indústrias mais globalizadas do mundo em termos de propriedade e operações.

Publicações mais recentes

Benefícios de um WMS para a administração de armazéns

O mais transcendente da cadeia de suprimento começa no armazém: o lugar onde os produtos são organizados e guardados para serem distribuídos. Por isso os sistemas de administração de armazém (WMS), criados para ajudar a dirigir cada passo no movimento do inventário, evoluíram tanto nos últimos anos.

Tudo sobre Incoterms em logística [Infográfico]

Geralmente, quando acontece uma compra e venda internacional existem diferentes interpretações segundo as regras de cada país.

Transporte aéreo: tudo o que você deve saber para fortalecer sua logística

A logística aérea se converteu em um elemento quase indispensável do comércio exterior tanto pelo alto valor de algumas mercadorias quanto pelo imediatismo de entrega que os clientes finais demandam