O Transporte Colaborativo em tempos de crise

23 Maio, 2022 Tudo sobre logística, Gestão de transporte

A colaboração é tão antiga quanto a própria sociedade. É o fio comum da evolução humana, portanto não deveria ser diferente quando aplicado ao comércio e à logística: Quando colaboramos, progredimos mais. 

Há mais de uma década se fala sobre o conceito de logística colaborativa para se referir à cooperação entre duas ou mais empresas para melhorar os aspectos-chave da cadeia de suprimentos, tais como custos e velocidade, por exemplo, e assim ganhar vantagens competitivas, o que é especialmente importante para empresas para as quais a logística é estratégica. 

Para isso, é necessária uma base mínima comum, e que as empresas integrantes, como uma unidade única, compartilhem a Missão, Visão e Valores da nova organização, deixando de lado a concorrência, gerando relações de confiança, com transparência sobre a informação e muita comunicação eficaz e estratégica, o que requer, por sua vez, big data, integração de sistemas e tecnologias de interconexão e rastreabilidade em geral. 

A colaboração aumenta o que pode ser alcançado e minimiza os impactos negativos, especialmente ao se enfrentar uma crise ou um grande desafio. Um caso claro e recente é o das empresas - mesmo concorrentes - na América Latina, unindo forças para enviar e receber produtos, após os efeitos internacionais na logística causados pelo conflito russo-ucraniano e gerando alternativas de transporte para evitar os novos obstáculos e ao mesmo tempo mitigar os efeitos do aumento do preço do petróleo e da ausência do gás russo. 

Produtos derivados do petróleo, assim como alimentos (especialmente trigo) e fertilizantes, importados da Rússia por países latino-americanos, tiveram aumentos de 22 a 80%. Tal é o impacto de uma crise que está geograficamente distante, mas próxima devido à globalização e à interconectividade em que o comércio internacional se baseia atualmente. 

As vantagens da colaboração 

Na logística, quando as empresas trabalham cooperativamente como uma unidade, são  capazes de criar uma cadeia de valor diferenciada e conseguir vantagens competitivas que não poderiam ter individualmente, contribuindo ao mesmo tempo para o desenvolvimento de redes mais sustentáveis e resilientes

A otimização da logística nas empresas individuais tem seus limites, e muitas vezes é insuficiente para competir com sucesso na dinâmica do mercado atual, mas trabalhando em conjunto,  em geral, elas podem otimizar e aproveitar melhor as operações, para economizar tempo e dinheiro, e fornecer um melhor serviço aos seus clientes. 

Deve-se lembrar que muitos processos da cadeia de suprimentos envolvem outras empresas, entre fabricantes, distribuidores, transportadores, etc., portanto, logicamente, a colaboração entre estes participantes permite grandes soluções de otimização, e claro, benefícios para todos. 

Por outro lado, a união diante de uma crise também ajuda a reduzir a incerteza dos consumidores ao alcançar um melhor gerenciamento de risco e, ao mesmo tempo, garantindo melhor o abastecimento

Ao compartilhá-las, as capacidades são multiplicadas, o que é muito claro, por exemplo, no transporte. Mais rotas são possíveis e também mais economias, o que pode ajudar a equilibrar os aumentos de preços que não puderam ser previstos, como no caso de uma crise. E não só isso, também podem fazer  compras conjuntas para obter melhores custos

Finalmente, também permite o planeamento conjunto, o que frequentemente resulta em planos melhores e mais detalhados, ou seja, um planeamento integral da cadeia de suprimentos e da rede de valor, com uma visão end to end, beneficiando todos os seus participantes. 

Concluindo, a logística colaborativa está se tornando um must have para manter um nível global de competitividade nas empresas e com o consumidor final no centro dos esforços. Resta que as associações de classe e empresariais incentivem ainda mais este tipo de trabalho conjunto para o benefício de todos. 

Nueva llamada a la acción

Junte-se à conversa!

Deixe seu comentário

Mais sobre Tudo sobre logística, Gestão de transporte

Principais indicadores e ferramentas para a análise de inventários

A gestão de inventários é um dos principais aspectos para o sucesso das empresas. De fato, as empresas bilionárias consideram esta tarefa como uma prioridade, porque contar com o volume ideal de estoque (suficiente, mas não em excesso) ajuda a otimizar custos, maximiza a produção e as vendas, ao mesmo tempo em que evita perdas devido ao excesso ou déficit de itens cruciais.

A era do 4 PL

Saber que tipo de modelo de terceirização é melhor depende da complexidade da cadeia de suprimento e dos objetivos estratégicos de cada companhia, assim como da natureza da mercadoria e da gestão da indústria.

O papel da consultoria na logística

Contar com serviços de consultoria em logística é uma decisão estratégica na empresa que cumpre a função de fazer com que se diferencie competitivamente falando. Graças a esta consultoria a empresa adquire conhecimentos, experiências e habilidades para tomar melhores decisões e alcançar eficientemente as metas na cadeia de suprimento.

Publicações mais recentes

Os fornecedores, seu impacto nas cadeias de suprimentos e como

Seleção de fornecedores: uma decisão de alto impacto na cadeia de suprimentos.

A indústria farmacêutica e seu impacto na sustentabilidade e na economia

O setor farmacêutico é fundamental para a economia e para aliviar a desigualdade no acesso à saúde.

Principais indicadores e ferramentas para a análise de inventários

A gestão de inventários é um dos principais aspectos para o sucesso das empresas. De fato, as empresas bilionárias consideram esta tarefa como uma prioridade, porque contar com o volume ideal de estoque (suficiente, mas não em excesso) ajuda a otimizar custos, maximiza a produção e as vendas, ao mesmo tempo em que evita perdas devido ao excesso ou déficit de itens cruciais.