Solistica ao dia

Entérate de los más recientes acontecimientos e innovaciones en nuestra industria

Solistica ao dia

Fique por dentro dos acontecimentos mais recentes e inovações em nossa indústria

Solistica ao dia

Find out about the latest developments and innovations in our industry

13 mai 2019

Impacto do veículo elétrico na logística

Tendências logísticas
Compartilhar:

Os entornos urbanos bem planejados e administrados oferecem grandes oportunidades para gerar desenhos sustentáveis que potencializam novos modelos de negócio, produção e logística e que, por sua vez, apresentam uma série de desafios diante dos quais se deve preparar.

Apesar de que atualmente a grande maioria dos veículos empregados em processos logísticos tenha motores de combustão interna, ou seja, geram energia mecânica ao queimar um combustível líquido (gasolina, diesel ou biocombustível) ou gasoso (gás natural comprimido), países da América, Europa e Ásia começaram a tornar o transporte de pessoas e mercadorias em suas áreas urbanas mais ecológico e eficiente.

Fatores como incentivos e subsídios governamentais e a flutuação de preços do petróleo impulsionaram na logística o uso de diferentes tipos de veículos sustentáveis como os seguintes:

  • Veículos elétricos ou de bateria elétrica: são propulsados por um ou vários motores elétricos. Recebem energia elétrica ao ser conectados na corrente e a armazenam em baterias. Ao não consumir combustível a base de petróleo, não produzem emissões de escapamento.
  • Veículos elétricos híbridos: combinam um motor de combustão interna ou outra fonte de propulsão com um motor elétrico, baterias e freios regenerativos. Necessitam de combustível a base de petróleo para fazer o motor funcionar que, por sua vez, carrega as baterias durante a frenagem. Quando se requer potência e velocidade, ambos os motores funcionam; no entanto, quando não se requer potência e o caminho é plano, o motor elétrico é o que assume o controle.
  • Veículos elétricos híbridos conectáveis: também têm dois motores: um elétrico e outro de combustão interna; no entanto para carregar seu motor elétrico usa baterias que se conectam à corrente elétrica, e para alimentar seu motor de combustão, usa combustível a base de petróleo.

Além de contaminar menos, estes meios de transporte ecológicos têm outras vantagens que vale a pena ressaltar:

  • Menos avarias mecânicas pois há menos elementos que possam se desgastar.
  • Menos manutenções. As revisões se concentram mais em pneus e baterias, no caso dos totalmente elétricos.
  • Economia de combustível no caso de veículos híbridos.
  • Diminuição do custo associado ao consumo de combustível.
  • Alguns países dão estímulos fiscais e pedágios gratuitos para os proprietários.
  • Algumas cidades bonificam as tarifas de estacionamento e carregadores públicos pelo uso de veículos elétricos.
  • Em algumas cidades é permitido que circulem por faixas especiais.

Ainda que a fabricação e a comercialização destes veículos ecológicos esteja em aumento - e inclusive algumas marcas tenham mencionado que logo deixarão de produzir automóveis com motores de combustão interna -, existem desafios que impactam a operação logística e que devem ser enfrentados pela iniciativa privada e os governos:

  • Baixa quilometragem (menor do que 150 quilômetros por hora) em comparação com os veículos de combustão interna, o que poderia afetar os tempos de entrega.
  • Baixa densidade energética das baterias em comparação com a gasolina ou o diesel que também poderia atrasar a cadeia de abastecimento.
  • Tempos de recarregamento de bateria longos (de seis a oito horas) em comparação com o rápido enchimento de tanques, que poderia afetar nos tempos de entrega e na produtividade.
  • Escassez de postos de carregamento públicos em comparação com postos de gasolina e diesel, que pode afetar a segurança dos envios e do pessoal.
  • Mudanças nos roteamentos derivados da baixa duração da bateria.
  • Impacto econômico em toda a cadeia de abastecimento que implique novos custos nos processos de planejamento, execução e controle.

 

Alternativas elétricas para uma logística sustentável

Com o fim de reduzir o efeito estufa e a poluição do ar, alguns governos e companhias começaram a ecologizar seu transporte de mercadorias com projetos que contemplam veículos mais limpos. Estes são alguns exemplos:

  • Através do projeto Energy Efficiency in City Logistics Services (Enclose), a Áustria, Bulgária, Grécia, Espanha, Irlanda, Itália, Noruega, Países Baixos, Polônia, Portugal, Reino Unido, Romênia e Suécia apoiaram o desenvolvimento de planos logísticos de mobilidade urbana que aumentam a eficiência energética na distribuição de carga nos centros históricos de pequenas e médias cidades.
  • LuccaPort é o centro de consolidação urbana em Lucca, Itália, que melhorou sua logística ao empregar uma frota completa de veículos elétricos que diariamente realiza 15 por cento das entregas da cidade e reduziu em quase a metade o número de veículos comerciais que anteriormente entravam no centro histórico. Este sistema de distribuição respeitoso com o meio ambiente e implementado principalmente com fundos nacionais e da União Europeia é considerado um modelo de referência na e-logística. 
  • Posten Norge é o serviço postal da Noruega que, para a distribuição de carga na cidade de Trndheim, substituiu a maioria de seus veículos a diesel por elétricos, bicicletas e motocicletas para reduzir as emissões de dióxido de carbono. O projeto consistiu em estabelecer um centro de consolidação urbana no terminal de correios.
  • s-Hertogenbosch ou Den Bosh é uma cidade ao sul dos Países Baixos cujos serviços logísticos municipais são realizados com ônibus totalmente elétricos que transportam pessoas com compras volumosas. Desde 2015 todas as linhas de transporte público se detêm ao redor do centro da cidade, com o que se reduziram significativamente o barulho, as vibrações e as emissões.

  • No âmbito da edição 2018 do evento Mainforum realizado em Monterrey, México, a FEMSA, através da Solistica, e o Grupo Quimmco, apresentaram seu protótipo de veículo elétrico que contribui para a mobilidade sustentável de suas operações. Para desenvolvê-lo, a Solistica ofereceu seu conhecimento operativo, e Quimmco, desenhou uma solução baseada na plataforma do modelo ELF500 de Isuzu. Atualmente estão sendo construídas outras cinco unidades com as que proximamente se realizarão provas pilotos nas diferentes unidades de negócio da FEMSA. 

Estes exemplos mostram que a logística sustentável faz parte de um plano de transporte urbano que além de apenas utilizar veículos verdes, implica desenvolver uma iniciativa de planejamento de frotas que considere recursos materiais, tecnológicos e financeiros.

Encontrar mais soluções logísticas urbanas viáveis e sustentáveis contribuirá para a redução do rastro de carbono; não obstante, se terá que superar várias barreiras para poder verdadeiramente aproveitar as tecnologias limpas e os combustíveis alternativos de maneira sustentável.

 

 

Sobre el autor pt-br
Solistica
Solistica

El contenido de esta publicación es brindado por el autor y no representa la posición de la empresa respecto al tema