Solistica ao dia

Entérate de los más recientes acontecimientos e innovaciones en nuestra industria

Solistica ao dia

Fique por dentro dos acontecimentos mais recentes e inovações em nossa indústria

Solistica ao dia

Find out about the latest developments and innovations in our industry

22 abr 2019

Cadeia de Frio: um desafio a vencer na cadeia de abastecimento

otimização da cadeia de suprimentos
Compartilhar:

A logística de frio garante o armazenamento, translado e distribuição de produtos específicos, como medicamentos e vacinas, em uma temperatura adequada que garanta sua integridade e qualidade.

Se a logística da cadeia de abastecimento tradicional requer uma grande coordenação das atividades em uma para oferecer eficiência, ao incluir uma cadeia de frio a dificuldade de sua gestão se eleva.

Pela sensibilidade às mudanças de temperatura dos produtos que são transportados, uma cadeia de frio deve ser mantida ao longo da cadeia de abastecimento, desde que o expedidor faz o envio até que se realiza a entrega ao cliente ou usuário final.

Devido a sua complexidade, a logística de frio requer um maior investimento em infraestrutura, tecnologia e especialização. Isto implica contar com caminhões, depósitos e contêineres climatizados, com equipes de apoio, para garantir o abastecimento contínuo da energia requerida para a refrigeração, e com sistemas de controle de temperatura que notifiquem em tempo real qualquer variação que coloque a carga em risco.

A cadeia de frio também demanda motoristas e empregados de depósito capacitados que se mantenham alertas e implementem soluções imediatas em caso de se apresentarem variações de temperatura, e com conhecimentos de processos e programas para tramitar, de maneira coordenada e oportuna, a documentação da mercadoria em sua passagem por depósitos ou aduanas.

A importância da logística em frio 

A cadeia de frio é indispensável para o translado de produtos perecíveis e tem o fim de estender seu tempo de vida e conservar suas propriedades, no entanto, é ainda mais importante no manejo de produtos farmacêuticos que são altamente sensíveis ao frio ou ao calor motivo pelo que qualquer mudança brusca de temperatura afetaria sua efetividade.

A estrutura de uma cadeia de frio pode adotar duas formas:

  • Cadeia de frio ativa, que utiliza refrigeradores ou congeladores de compressão ou absorção para produzir frio.
  • Cadeia de frio passiva, a qual inclui sistemas de embarque ou contêineres para conservar a temperatura.

 

Dependendo de seu tipo, uma cadeia de frio é formada pelos seguintes elos:

  • Armazéns frigoríficos localizados dentro das regiões produtivas
  • Veículos de transporte frigoríficos
  • Armazéns frigoríficos gerais
  • Armazéns frigoríficos comerciais
  • Armazéns frigoríficos de consumo
  • Transporte frigorífico urbano
  • Câmaras e equipamento frigoríficos públicos e privados (em atacadistas e varejistas)

 

Na instalação destes equipamentos de resfriamento deve-se cuidar de aspectos no manejo das mercadorias que influenciam em sua temperatura e no uso de energia para alcançar uma temperatura constante. Entre eles estão:

 

  1. Resfriar previamente o veículo ou armazém durante aproximadamente uma hora e meia para eliminar o calor residual.
  2. Evitar vias obstruídas em todos os lados da carga, já que o ar frio circularia inadequadamente.
  3. Usar envoltórios de plástico em pallets com produtos frescos, caso contrário o ar não chega à carga.
  4. Não carregar produtos na frente das saídas do evaporador já que pode bloquear o fluxo de ar frio.
  5. Não deve haver envoltórios nem resíduos de papel no solo.
  6. Não bloquear as entradas do evaporador (ar de retorno).
  7. Desligar a unidade enquanto as portas do quarto frio estejam abertas.
  8. Não obstruir o solo, os obstáculos produzem ciclos curtos.
  9. Evitar abrir as portas do refrigerador por muito tempo.
  10. Separe a carga perecível dos paletes / carros secos utilizando um tapume divisor.

 

Além do que implica a gestão de produtos como medicamentos ou vacinas durante os processos logísticos em frio, é necessário realizar manutenção contínua e preventiva nos equipamentos de resfriamento para adiantar-se a falhas, assim como contar com sistemas de apoio que evitem que a cadeia de abastecimento em frio seja rompida em qualquer momento.

As empresas logísticas que proporcionam este serviço oferecem aos fabricantes de produtos farmacêuticos e perecíveis uma integração total com seu modelo de negócio para impulsionar a realização de suas metas estratégicas ao menor custo e com a maior eficiência.

Mas para isso também é necessário que, internamente, implementem o mais avançado da tecnologia de refrigeração e rastreabilidade, e que capacitem devidamente seu pessoal para garantir um bom serviço e elevar a produtividade de seus clientes.

 

Especialização da cadeia de frio na América Latina

 

A Aliança Global de Cadeia de Frio (GCCA, por sua sigla em inglês), é uma associação que impulsiona a profissionalização das empresas logísticas sul-americanas que estão incluindo a cadeia de abastecimento em frio como parte de seus serviços.

A GCCA oferece a seus membros, em 72 nações, assessoria e apoio técnico para melhorar suas práticas mediante a troca de conhecimentos e de inovação através de quatro organizações:

 

  • Associação Internacional de Armazéns Refrigerados (IARW) que promove e apoia a excelência na indústria de depósitos de temperatura controlada na logística.
  • Organização Mundial para a Logística de Alimentos (WFLO), vela pelo adequado manejo e armazenamento de produtos perecíveis e desenvolve sistemas para melhorar as práticas de segurança, eficiência e manipulação confiável ao redor do mundo.
  • Associação Internacional de Transporte Refrigerado (IRTA), apoia as necessidades e interesses de organizações no setor de transporte de produtos refrigerados ou congelados, promove as boas relações comerciais e de troca entre as companhias de transporte, seus fornecedores e clientes.
  • Associação Internacional para a Construção de Armazéns em Frio (IACSC), apoia as necessidades e interesses das empresas construtoras de depósitos refrigerados, promove a inovação no ramo e os padrões operativos na indústria da construção de depósitos refrigerados, patrocina programas de capacitação, analisa os desafios da indústria e promove o interesse da indústria na política e legislação de cada país.

 

Um dos eventos organizados pela GCCA é o Congresso Latino-americano de Cadeia de Frio, que é celebrado em diferentes países anualmente, e no que se busca divulgar o último em desenvolvimentos tecnológicos e de refrigeração e as tendências da indústria.

  

Implementação bem-sucedida na Colômbia

Apesar dos esforços de todas estas instituições, na América Latina falta melhorar o processo da cadeia de frio, ainda que já comecem a ser vistas algumas implementações para produtos especializados que deram resultados de sucesso.

A Solistica, através da Open Market, conta na Colômbia com um dos maiores quartos frios na América do Sul dedicado à refrigeração de produtos farmacêuticos.

É um dos maiores da América Latina e faz uso da tecnologia mais avançada para garantir a conservação de medicamentos e vacinas nas temperaturas indicadas pelo fabricante, o que permite reduzir as perdas e garantir a entrega de seus produtos aos pacientes em ótimas condições.

Certificada pela BPM (Boas Práticas de Manufatura) aumenta constantemente a qualidade de seus processos e evita perdas a seus clientes farmacêuticos.

Mediante seu depósito Open Freeze, os processos logísticos de frio da Open Market, hoje Solistica, garantem a integração efetiva da logística no ciclo do produto que compreendem as atividades de armazenamento, isolamento, acondicionamento, transporte de produto e logística inversa.

 

Desafios e tendências da cadeia de frio

As tendências da logística de frio são marcados pelos desafios que a logística em geral enfrenta, entre os que se encontram:

  • A globalização de mercados.
  • A redução de custos ao longo da cadeia de frio.
  • A integração estratégica com o resto das atividades da cadeia de abastecimento.
  • A maximização do uso da capacidade e dos recursos.

 

Diante desta realidade, os fornecedores logísticos com serviços de cadeia de frio devem desenvolver estratégias que lhes permitam manter-se na vanguarda da indústria:

  • Estar atentos às restrições que os regulamentos mais estritos sobre saúde pública impõem em alguns países para implementar as medidas e controles de refrigeração que garantam a integridade e qualidade dos produtos, especialmente os farmacêuticos, durante todas as atividades logísticas.
  • Instalar depósitos refrigerados ao longo da cadeia de abastecimento para manter a temperatura da carga dentro dos níveis recomendados.
  • Usar sensores de temperatura nos veículos de transporte para detectar a tempo qualquer variação conforme se transladem entre diferentes regiões climáticas.
  • Melhorar a rastreabilidade dos produtos para poder documentar adequadamente sua origem, processo de translado e destino, a fim de tornar mais confiáveis e rápidas as atividades de coleta de lotes específicos em caso necessário.
  • Implementar um enfoque de negócios que busque a integração com as metas estratégicas do fabricante, reduzindo custos e melhorando a satisfação de seus clientes finais.
  • Adicionar serviços complementares que tornem a cadeia de abastecimento em frio mais eficiente, deem mais visibilidade aos produtos durante seu translado e garantam as entregas justo a tempo para evitar problemas de inventário.
  • Adotar o transporte multimodal para atender a mercados cada vez mais distantes e dispersos, aproveitando as melhoras nos sistemas de ajuste de temperatura nos contêineres.
  • Usar novos materiais refrigerantes e combustíveis eficientes para abordar as preocupações ambientais e de sustentabilidade de seus clientes e da comunidade em geral.
  • Melhorar as embalagens para prolongar sua durabilidade em condições de refrigeração e garantir o bom estado dos produtos quando cheguem em seu destino.
  • Investir fortemente em soluções tecnológicas para dar seguimento à carga e suas condições de temperatura ao longo da cadeia de abastecimento e para otimizar o uso de recursos e agilizar a tramitação de documentação.

 

Um esforço de melhoria contínua

Fazer com que os produtos refrigerados cheguem a seus usuários finais em ótimas condições de segurança e integridade é uma tarefa que enfrenta muitas variáveis e requer um esforço e investimento contínuos por parte do fornecedor logístico.

Cada vez mais países, começando pela União Europeia, adotam regulamentos que demandam conhecer pontualmente a origem e as condições de translado dos produtos farmacêuticos e perecíveis.

Atender estas regulamentações, além das demandas mutáveis dos consumidores que exigem cada vez mais produtos frescos e sem conservantes, exerce pressão sobre as empresas produtoras e logísticas.

Os fornecedores logísticos devem ajudar seus clientes a cumprir com o que estipulam as normas de cada país de maneira eficiente em custos e, por outro lado, devem fazer entregas de produtos a tempo e nas melhores condições aos consumidores finais para garantir a competitividade do fabricante.

Cumprir com tudo isto requer estabelecer processos eficientes, melhorar a produtividade e garantir a segurança, razão pela que sua melhor aliada é a tecnologia.

 

Desde os sensores de temperatura, os sistemas de controle e localização, a automatização de armazéns e o  blockchain para a transmissão de informação, os avanços tecnológicos servem ao propósito de garantir a qualidade das mercadorias, garantir sua entrega oportuna, reduzir os custos de inventário e operativos, melhorar a rastreabilidade dos lotes e garantir a integridade da documentação compartilhada entre os diferentes atores na cadeia de abastecimento em frio. 

Sobre el autor pt-br
Solistica
Solistica

El contenido de esta publicación es brindado por el autor y no representa la posición de la empresa respecto al tema